Museu Mineiro
Oficina “Como seria o seu Museu” no Museu Mineiro

Oficina “Como seria o seu Museu” no Museu Mineiro

O Museu Mineiro realiza no dia 19 de maio, a oficina Como seria o seu Museu, evento que integra às atividades da 16ª Semana de Museus, realizada anualmente pelo Instituto Brasileiro de Museus – IBRAM , que tem como tema este ano Museus hiperconectados: novas abordagens, novos públicos.

Na oficina que será ministrada por Rangel Sales (UniBH) e Fernanda Motta, os participantes serão convidados a conhecer e refletir sobre conceitos ligados ao universo museológico numa perspectiva contemporânea. Após uma breve explanação teórica, todos serão convidados a planejar um Museu a partir de suas experiências e percepções pessoais, sob a ótica estética, funcional e social.

Número de vagas – 15 VAGAS

Horário: 14h às 18h

Local: Museu Mineiro – Av. João Pinheiro, 342 – Funcionários – BH/ MG

Informações: (31) 3269-1103 ou envie um e-mail para museumineiro@cultura.mg.gov.br

Inscrições pelo link:  https://goo.gl/forms/XJrdkomO7o5ZHZX02

 

Oficina  de fotografia imersiva e tecnologias de realidade virtual para Museus” no Museu Mineiro

Oficina de fotografia imersiva e tecnologias de realidade virtual para Museus” no Museu Mineiro

O Museu Mineiro realiza no dia 18 de maio, a oficina “Fotografia Imersiva e Tecnologias de Realidade Virtual para Museus”, evento que integra às atividades da 16ª Semana de Museus, realizada anualmente pelo Instituto Brasileiro de Museus – IBRAM,  que tem como tema este ano ”Museus hiperconectados: novas abordagens, novos públicos”.

A oficina será ministrada por Pablo Gobira e Antônio Mozelli (Escola Guignard-UEMG/LabFront) e oferecerá aos participantes conhecimentos e práticas sobre a fotografia de imersão, com o objetivo de explorar a imagem panorâmica, esférica e em 360º em contextos museológicos. Será proposta a criação de visitas virtuais utilizando técnicas imersivas através do registro com câmeras fotográficas, câmeras 360º além de celulares e tablets. Os participantes aprenderão como customizar um óculos para a experiência em realidade virtual.

Mas atenção, é necessário possuir câmera fotográfica, smartphone ou tablet. Será utilizado o aplicativo “Google Cardboard” e “Google Street View” compatíveis com sistemas Android ou iOS.

 DIA: 18/05

HORÁRIO: 14h às 18h

Local: Museu Mineiro – Av. João Pinheiro, 342 – Funcionários – BH/ MG

Inscrições: https://goo.gl/forms/dK64OuEQdq4cnvPF3

Informações: (31) 3269-1103 ou envie um e-mail para museumineiro@cultura.mg.gov.br

Museu Mineiro recebe a mostra “Tempo” da  artista plástica Betânia Silveira

Museu Mineiro recebe a mostra “Tempo” da artista plástica Betânia Silveira

O Museu Mineiro recebe a mostra “Tempo” da artista plástica Betânia Silveira que ficará em exibição na Galeria de Exposições Temporárias I,  de 17 de maio a 8 de julho de 2018. Entrada Gratuita.

Betânia Silveira construiu sua trajetória profissional e acadêmica direcionada às artes, com ênfase em cerâmica, escultura, instalação e multimídia. Explora materiais recolhidos da natureza: plantas mortas ou em processo de descarte, argila, ar e calor para liquefazer o minério e dar forma a sua obra.

As obras que irão compor o acervo da exposição são resultado de uma pesquisa plástica densa, profunda e particular, que vem sendo desenvolvida pela artista há mais de uma década. Betânia apropria-se de tramas vegetais encontradas prontas e raízes que geram outras urdiduras, resultando em objetos de cerâmica cujos entrelaçados realizam percursos orgânicos e caóticos, desenhos tridimensionais que constroem volumes, pontes de ar em caminhos de pedra, como a própria artista define o seu trabalho.

Sobre o título dado a exposição, Betânia explica que “O tempo é para este projeto o elemento constante que age sobre todas as formas. É o tempo da minha existência que propicia deleites e dor, o tempo da matéria viva que morre e é recolhida, é o tempo de preparação do barro e da forma, tempo de modelagem, tempo de secagem, o tempo da argila que se transforma fisico-quimicamente e o do fogo que lentamente ganha potência e, na mesma intensidade, consome materiais e realiza outras materialidades”.

Durante o período da mostra os visitantes interessados em se aprofundar um pouco mais, poderão desfrutar de visitas mediadas ofertadas pelo Programa de Educação do Museu Mineiro. A mostra Tempo tem entrada gratuita e ficará em exibição até o dia 8 de julho de 2018.

SOBRE A ARTISTA

Maria Betânia Silveira – É artista plástica e professora de cerâmica desde 1988. Possui graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (1982), Especialização em Cerâmica pela Universidade de Passo Fundo, RS ( 1996), Mestrado em Artes pela Universidade de São Paulo, ECA/USP (2006) e Doutorado em Teatro pela Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis (2014). É professora no Curso de Artes Plásticas da Escola Guignard, Universidade do Estado de Minas Gerais – UEMG – desde 2014. Ministrou aula, por seis anos, até 2011, no Centro de Artes da Universidade do Estado de Santa Catarina, nos cursos de bacharelado e licenciatura em Artes Visuais, em Florianópolis. Atuou, por doze anos, como orientadora da oficina de cerâmica do Departamento Artístico Cultural da Universidade Federal de Santa Catarina, em cursos de extensão e, igualmente, na Oficina de Cerâmica do Centro Integrado de Cultura (CIC), ambos em Florianópolis. desenvolve pesquisa na área de Artes, com ênfase no campo da tridimensionalidade, através de experiências com a cerâmica, outros materiais moldáveis, vídeo , fotografia, multimídia e performance. Participou de várias exposições coletivas e individuais em instituições e galerias do Brasil e exterior.

Local:  Museu Mineiro - Galeria de Exposições Temporárias I

Av. João Pinheiro, n. 342 – Belo Horizonte – Minas Gerais

Período exposição: 17 de maio a 8 de julho de 2018

Horário de Visitação: Terça, Quarta e Sexta – de 10h às 19h | Quinta – de 12h às 21h| Sábado, domingo e feriado – de 12h às 19h

ENTRADA GRATUITA 

Museu Mineiro recebe a exposição Marcelo Lago – Esculturas

Museu Mineiro recebe a exposição Marcelo Lago – Esculturas

O Museu Mineiro recebe pela primeira vez obras do escultor fluminense Marcelo Corrêa do Lago, que comemora, em 2018, 35 anos de carreira. A mostra Marcelo Lago – Esculturas será inaugurada no dia 10 de maio e ficará em exibição na Galeria   de Exposições II do Atrium até o dia 9 de agosto de 2018.

Marcelo Lago tem uma trajetória dinâmica e inventiva, atuou como gestor cultural em diversas instituições, é professor de escultura contemporânea, curador e, como artista, possui uma sólida investigação no processo escultórico. Suas obras passeiam por temas políticos e autobiográficos, que se relacionam com a pesquisa sobre a materialidade e temporalidade dos objetos. Explora materiais como o cimento, fibra de vidro, PVC e tinta automotiva com os quais constrói  composições e assemblages em narrativas híbridas.

Entusiasmado por apresentar suas obras ao público mineiro, Marcelo Lago trará a Belo Horizonte uma amostra de seu acervo pessoal que expressa a diversidade de materiais e ideias trabalhados por ele ao longo de sua carreira. São séries como a intitulada “Intervenções Cromáticas”, que tem como destaque a obra “Poema Paralelo em Azul” (1995), que explora a combinação de elementos bidimensionais e tridimensionais, em cores e formas. Ao todo, a mostra será composta por três instalações, duas esculturas de médio porte e uma escultura interativa, que promete convocar o visitante à participação.

Durante o período da mostra os visitantes interessados em se aprofundar um pouco mais, poderão desfrutar de visitas mediadas ofertadas pelo Programa de Educação do Museu Mineiro. A mostra Marcelo Lago – Esculturas tem entrada gratuita e ficará em exibição até o dia 9 de agosto de 2018.

SOBRE O ARTISTA:

Marcelo Corrêa do Lago (1958) – Escultor fluminense, mora e trabalha em Petrópolis desde 1984, onde além do atelier, desenvolve atividades como professor de escultura contemporânea, curador e produtor cultural. Estudou no Parque Lage com Celeida Tostes e Cláudio Kuperman, e no Atelier de Escultura do Ingá com Haroldo Barroso e Alair Gomes. Participou também de grupo de estudos com Paulo Garcez. Criou e dirigiu o Atelier Livre de Petrópolis em 1989, um espaço dinâmico de criação, educação e divulgação da arte contemporânea, que reeditou em 2014 com o apoio da Prefeitura Municipal de Petrópolis. Com cursos, workshops e exposições, o evento contou com grandes nomes das artes plásticas brasileiras. Participou da icônica exposição “Como Vai Você Geração 80?”, na EVA do Parque Laje no Rio de Janeiro. Suas peças integram-se à paisagem urbana, como “Intervenção Vermelha”, grande tubo de aço pintado que durante oito anos “abraçou” toda a fachada da Casa de Cultura Laura Alvim, na praia de Ipanema, ou o “Grande Painel Azul” que foi feito para sua primeira exposição no Paço Imperial no Rio de Janeiro. Tem trabalhos também no jardim da PUC Rio, na Praça Paris, Centro do Rio e no metrô Barra Funda, em São Paulo. O artista já participou de exposições no Museu da Republica, MAM, Centro Cultural Hélio Oiticica, Museu de Belas Artes, entre outros.

Local: Atrium – Galeria de Exposições Temporárias II

Museu Mineiro, Av. João Pinheiro, n. 342 – Belo Horizonte – Minas Gerais

Período exposição: 11 de maio a 9 de agosto de 2018

Horário de Visitação: Terça, Quarta e Sexta – de 10h às 19h | Quinta – de 12h às 21h| Sábado, domingo e feriado – de 12h às 19h

ENTRADA GRATUITA 

Museu Mineiro recebe a mostra “Catas Altas do Matto Dentro – Minas Geraes”, de Fatima Pinto Coelho

Museu Mineiro recebe a mostra “Catas Altas do Matto Dentro – Minas Geraes”, de Fatima Pinto Coelho

O Museu Mineiro realizará, em 15 de março (quinta-feira), às 19h, lançamento conjunto do livro de poesia e da instalação intitulados Catas Altas do Matto Dentro – Minas Geraes, da artista e escritora Fatima Pinto Coelho.

O livro conjuga poesia, desenho e fotografia para uma recuperação da paisagem física e humana de um pequeno povoado do Quadrilátero Ferrífero arruinado pela mineração. Catas Altas, fundada no pé da Serra do Caraça durante o ciclo do ouro, é o eixo em torno do qual se organizam as duas partes da obra.

A primeira parte é composta por poemas escritos por Fatima Pinto Coelho como artista integrante da “Equipe da Serra”, coletivo que participou da XIV Bienal Internacional de São Paulo (1977). Os textos foram escritos nos anos 1970, quando a autora revisitou a cidade que havia conhecido como menina vinte anos antes, e entrelaçam abusca da história afetiva e familiar em Catas Altascom o estado de abandono do município.

A segunda parte foi escrita nos últimos anos, quando Fatima Pinto Coelho retoma o olhar crítico sobre a cidade, repaginada agora como destino turístico da Estrada Real. Os poemas são perpassados por uma inquietação que se torna premonitória: quando o livro estava quase pronto, o rompimento da barragem de Fundão, no município vizinho de Mariana, transforma o entorno da Serra do Caraça no epicentro do que vem sendo considerado o maior desastre ambiental da história do Brasil.

A mostra  segue a divisão do livro. Já na entrada, o espectador será recebido por uma potente instalação composta por um catre disposto sobre um tabuado de madeira, peças típicas do mobiliário mineiro. Nesse “ambiente doméstico” dorme sobre a cama, inerte, um grande volume de minério de ferro bruto.

Uma vitrine exibirá um conjunto de documentos: fotos de época, a carta redigida por Pedro Nava, o catálogo da Bienal de São Paulo e uma coleção de espelhos de fechaduras. A expografia está estruturada de forma a permitir ao público presente o avanço e recuo no tempo de exploração mineral, por meio de narrativas memorialísticas das catas altas, traduzidas em uma potente conjugação de textos e imagens.

A mostra Catas Altas do Matto Dentro – Minas Geraes tem entrada gratuita e ficará em exibição na Sala de Exposições Temporárias I de 16 de março a 8 de maio de 2018.

SOBRE A ARTISTA

FATIMA PINTO COELHO – Nasceu em Belo Horizonte em 1951. Formou-se em Belas Artes na Escola Guignard em 1975, com especialização em escultura. No mesmo ano, cursou estudos pedagógicos na Faculdade de Educação da UFMG.  Participou da Bienal Internacional de São Paulo em 1977 com o trabalho Catas Altas do Matto Dentro – Minas Geraes. Trabalhou com Arte-Educação de 1971 até 1999.

Fundou e dirigiu a Galeria de Arte Gesto Gráfico, a primeira galeria de arte contemporânea do estado de Minas Gerais, de 1980 até 2009. Realizou a primeira exposição de esculturas de Amilcar de Castro no Brasil, em 1980, seguida por outras três exposições individuais do artista. Trouxe para Minas Gerais artistas consagrados como Franz Weissmann, Tomie Ohtake e Arthur Luiz Piza.

Lançou para o público mineiro grandes nomes das gerações 80 e 90 como Leonilson, Ana Horta, Emmanuel Nassar, Daniel Senise e Nuno Ramos. Atualmente mora e trabalha em Nova Lima, onde mantém um Escritório de Arte e prepara seu próximo livro.

 

Museu Mineiro recebe exposição  Fátima Pena – Aquarelas Belo Horizonte

Museu Mineiro recebe exposição Fátima Pena – Aquarelas Belo Horizonte

O Museu Mineiro inaugura no dia 1º de março de 2018, às 19 horas, a mostra Fátima Pena – Aquarelas Belo Horizonte. Trabalhos em aquarelas e bicos de pena, realizados ao longo de décadas, são objeto dessa mostra, que comemora os 120 anos de Belo Horizonte. A exposição tem entrada gratuita e ficará aberta a visitação de 2 de março a 1º de maio de 2018, na Galeria de Exposições Temporárias II no Atrium do Museu Mineiro.

 Fátima Pena atuação há mais de 40 anos como artista plástica e foi por 26 anos professora de Pintura na Escola Guignard. Participou de mais de 20 exposições individuais e de vários projetos coletivos, revezando na prática do desenho em bico de pena, em grafite, na aquarela, no pastel, na pintura a óleo: uma técnica interferindo na outra, acrescentando à outra, num constante aprender e recomeçar de novo.

 A exposição Fátima Pena – Aquarelas Belo Horizonte consiste em vitrines com aproximadamente cento e sessenta aquarelas originais, em formatos que variam de 4 x 4 cm a 18 x 24 cm e impressões digitais fine art em grandes formatos. A curadoria e o design expográfico é de Guilherme Horta e a produção está a cargo do Studio Anta.

 Os trabalhos foram agrupados segundo afinidades subjetivas, sem o intuito de explicitar quais os locais abordados, pois se trata de uma cidade lúdica, que não quer ser conferida, só existir em paralelo à outra, real. Resgatadas recentemente, algumas dessas aquarelas sofreram uma intervenção em bico de pena e outras foram digitalizadas e impressas em grandes formatos com o intuito de mudar a escala da obra, ampliando sua atmosfera e revelando o traço leve e sutil da artista.

 SOBRE A ARTISTA

 Fátima Maria Ottoni Pinto Ordones Pena nasceu em Teófilo Otoni/MG e desde 1966 reside em Belo Horizonte. A partir de 1974 passou a se dedicar à arte, tendo participado de diversas exposições e atuado como professora de Pintura na Escola Guignard entre 1986 a 2010. A artista é bacharel em Comunicação Social pela UFMG (1970) e tem especialização em Filosofia pela UEMG (2002). Fez cursos artísticos no Atelier Livre de Artes Plásticas (1975/76), na Escola Guignard – Litografia com Lótus Lobo (1979) e – Núcleo Experimental Amílcar de Castro (1980) e durante o Festival de Inverno em Diamantina (1989). Tem obras em Coleções Públicas de instituições como a Fundação Clovis Salgado, o Museu Histórico Abílio Barreto, o Ministério da Aeronáutica, a Universidade Federal de Viçosa, a Acesita e a Universidade Federal do Espírito Santo.

Recesso de Carnaval

Recesso de Carnaval

O Museu Mineiro  não abrirá ao público  durante o feriado de Carnaval, do dia 10/02, sábado, a 14/02, quarta-feira.

Retornamos nossas  atividades na quinta-feira, 15 de fevereiro, às 12 horas.

 

FÉRIAS MUSEU MINEIRO

FÉRIAS MUSEU MINEIRO

PROGRAMAÇÃO DE FÉRIAS DO MUSEU MINEIRO

(11 A 14 DE JANEIRO DE 2018)

O Museu Mineiro está cheio de novidades e inteiramente aberto ao público! O Programa de Educação preparou algumas atividades para toda a família fruir e experimentar o acervo. As atividades são gratuitas e não necessitam de inscrição. Confira e participe!

VISITA TEMÁTICA: Investigando a Sala das Sessões

Acontece nos dias: 11, 12, 13 e 14 (quinta a domingo) às 14h e às 16h. Duração média: 45min

Conheça a Sala das Sessões através de uma visita panorâmica, abordando sua história e a coleção de pinturas que se encontram expostas. Da coleção em exposição, destacam-se pinturas clássicas como as seis telas de autoria de Manoel da Costa Ataíde (1762-1830), o quadro A Má Noticia do artista Belmiro de Almeida, pintado em 1897, telas de Aníbal Mattos e de outros expoentes da pintura mineira acadêmica do início do século XX.

OFICINA DE RETRATO E AUTORRETRATO

Acontece nos dias: 11 (quinta-feira) de 14h às 17h; 13 (sábado) de 13h às 15h e 16h às 18h.

Inspirados na observação dos retratos e autorretrato do pintor mineiro Honório Esteves (1860 – 1933), os participantes serão convidados a uma visita por todos os retratos à mostra no Museu e a refletir sobre esses gêneros pictóricos. A Oficina propõe uma experimentação em pintura, colagem e desenho para a construção de retratos e autorretratos.

OFICINA CIDADES IMAGINÁRIAS

Acontece nos dias: 12 (sexta-feira) de 14h às 16h; 14 (domingo) de 13h às 15h e 16h às 18h.

Conheça a história da construção de Belo Horizonte de forma lúdica e divertida! Visitando o acervo artístico e histórico do Museu Mineiro, os visitantes serão convidados a discutir sobre a construção simbólica da cidade e, a partir de um jogo, construir sua própria cidade imaginária!

 

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO DO MUSEU MINEIRO

Local: Museu mineiro – Avenida João Pinheiro, 342 – Belo Horizonte/MG

Horário de Visitação: 3ª, 4ª e 6ª – 10h às 19h | 5ª – 12h às 21h | Sábados, domingos e feriados – 12h às 19h

Informações: (31) 3269-1106

 

Museu Mineiro reabre Sala das Sessões e recebe novas exposições permanente e temporária

Museu Mineiro reabre Sala das Sessões e recebe novas exposições permanente e temporária

Para celebrar os 120 anos de Belo Horizonte, o Museu Mineiro reabre em 19 de dezembro, às 10 horas, a Sala das Sessões completamente restaurada e apresenta ao público uma nova proposta expográfica de longa duração para sua coleção. A exposição evidencia obras de grandes artistas mineiros exibidas em quatro espaços intitulados: Sala Jeanne Milde, no primeiro pavimento, Sala Honório Esteves, Gabinete e Sala das Sessões, no segundo pavimento.

Fechada há aproximadamente seis anos, a Sala das Sessões teve suas pinturas e parietais e seu forro restaurados, o piso de madeira recuperado e instalada nova iluminação expositiva adequada para destacar o acervo pictórico exibido no local. Da coleção em exposição, destacam-se pinturas clássicas como as seis telas de autoria de Manoel da Costa Ataíde (1762-1830), o quadro A Má Noticia do artista Belmiro de Almeida, pintado em 1897, telas de Aníbal Mattos e de outros expoentes da pintura mineira acadêmica do início do século XX.

No hall de acesso às salas expositivas, o público poderá admirar um conjunto de pinturas parietais, descoberto durante a restauração, sob seis camadas de tinta, provavelmente de autoria de Frederico Steckel, o mesmo artista que atuou no Palácio da Liberdade. São figuras aladas, folhas de acanto e outras ornamentações.

A restauração da Sala das Sessões e do Hall foi viabilizada por patrocínio da CEMIG, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, e realizada por técnicos e especialistas da empresa Grupo Oficina de Restauro.

Na entrada do 2º pavimento, está em exposição obras de autoria do pintor natural de Ouro Preto Honório Esteves (1869-1933), com destaque para a obra O Pastor Egípcio e o retrato de Peter Lund. À frente da sala Honório Esteves, foi montada uma pequena galeria de retratos dos monarcas com figuras em óleo sobre tela de Dom João VI, Dona Maria I, Pedro I, Pedro II e o Brasão da família imperial.

No primeiro pavimento, próximo à entrada do Casarão, fica a Sala Jeanne Milde, em homenagem à escultora belga (1900-1997) que chegou a BH em 1929, numa missão pedagógica européia, para trabalhar no ensino de arte e educação. O público poderá apreciar a belíssima escultura  As adolescentes,  as pinturas de artistas renomados no cenário cultural mineiro dentre eles: Guignard, Amilcar de Castro, Márcio Sampaio, Mário Silésio, Érico de Paula, Maria Helena Andrés, Lótus Lobo, Yará Tupinambá, Aurélia Rubião, Inimá de Paula, entre outros.

Para Andrea de Magalhães Matos, Superintendente de Museus e Artes Visuais (SUMAV), a comemoração será intensa: “estamos extasiados, pois o Museu Mineiro voltará a seu esplendor. Foi um trabalho intenso, cuja curadoria, expografia e montagem foi executada pela própria equipe da SUMAV e do Museu Mineiro. Várias obras do nosso acervo que estavam há muito tempo guardadas estão de volta para apreciação do público. As salas restauradas ficaram belíssimas e ainda iremos exibir uma das mais importantes peças do nosso acervo pela primeira vez. Essa surpresa, só quem vier ao Museu Mineiro poderá conferir.”

Entre as novidades para o aniversário de Belo Horizonte, o Museu Mineiro, Arquivo Público Mineiro e Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico (IEPHA) apresentam a mostra “Belo Horizonte – 120 anos: Primeiros Registros”, com mais de cem obras das três instituições, que ficará em exibição na Galeria de Exposição Temporária do Museu Mineiro e na Sala da Memória, dentro do Casarão. A mostra apresentará ao público um panorama da trajetória inicial da cidade por meio de quadros, fotografias, documentos, plantas cadastrais e objetos, com destaque para uma tela retratando o engenheiro construtor Aarão Reis (1853-1936) com o projeto original de BH nas mãos, e uma bonequinha de biscuit que pertenceu à menina Alice, uma das que participaram do primeiro sorteio de lotes da nova capital.

 

Data: 19 de dezembro de 2017

Horário: 10 horas

Local: Museu mineiro – Avenida João Pinheiro, 342 – Belo Horizonte/MG

Horário de Visitação: 3ª, 4ª e 6ª – 10h às 19h | 5ª – 12h às 21h | Sábados, domingos e feriados – 12h às 19h

Entrada: Gratuita

Informações: (31) 3269-1103

Assessoria de Imprensa – Angelina Gonçalves – (31) 3269-1109 |  (31) 98876 – 8987

Museu Mineiro recebe o 10º Encontro Estadual de Museus

Museu Mineiro recebe o 10º Encontro Estadual de Museus

Tecno-lógicas em Museus é o tema do 10º Encontro Estadual de Museus de Minas Gerais , que acontece nos dias 23 e 24 de novembro de 2017, no Museu Mineiro, com palestras temáticas e mesas de debate. O tema faz alusão aos significados do termo tecnologia, se referindo tanto às ferramentas digitais como às técnicas desenvolvidas para soluções de necessidades práticas e deseja refletir sobre as tecnologias possíveis nas diversas atividades dos museus.

O Encontro Estadual de Museus é uma realização da Superintendência de Museus e Artes Visuais e do Sistema Estadual de Museus de Minas Gerais e nesta edição conta com o apoio do IEPHA/MG, Circuito Liberdade e Associação dos Amigos do Museu Mineiro.

O evento terá  abertura na noite do dia 22 com a presença do Secretario de Estado de Cultura de Minas Gerais, Angelo Oswaldo (18h30) e apresentação do Quarteto Guignard (19h30). Em sua 10ª edição, o encontro tem como objetivo este ano, pensar criticamente como fazer bom uso das tecnologias disponíveis, enfrentando os desafios de atualização dos museus e das inúmeras limitações implicadas na sua utilização.

 Duas palestras inaugurais abrem a discussão do tema com o objetivo de entender o alcance da palavra tecnologia, as aplicações tecnológicas nos museus de forma abrangente e sua relação com o desenvolvimento local. No decorrer do encontro serão formadas três mesas de debate em torno dos temas: Tecnologia e Comunidade, Tecnologia da Preservação e Tecnologia e Educação.

Além disso, serão apresentadas experiências de museus relacionadas com o tema, como as práticas do Espaço UFMG do Conhecimento e do evento Museomix realizado no Circuito Liberdade em novembro de 2017.

O Encontro  Estadual de Museus se afirma como espaço de debate e contará, especialmente para a data, com representantes do Sistema Estadual de Museus dos 17 territórios de desenvolvimento de Minas Gerais. Uma ótima oportunidade para a troca com profissionais de museus de todo o Estado. Contamos com a sua presença!

Para fazer a sua inscrição acesse o link e preencha o formulário:https://goo.gl/forms/vG6hRa2cPLGsT4th2

Inscrições gratuitas. Vagas Limitadas.

Local: Museu Mineiro
Avenida João Pinheiro, 342 – Funcionários
Belo Horizonte – Minas Gerais
Informações: (31) 3269-1133 | 3269-1109


PROGRAMAÇÃO

22/11 – Quarta-feira
18:00 Credenciamento e Café (Atrium)
18:30 Abertura com Secretário de Estado de Cultura – Angelo Oswaldo (Sala das Sessões)

19;30 Concerto do Quarteto Guignard

23/11 – Quinta-feira
09:00 Credenciamento e café (Atrium)
09:30 Tecno-lógicas. Mediação: Ana Werneck (Sala das Sessões)
10:00 Tecnologia, Cultura e Desenvolvimento local – Renato Cimineli
10:40 Museu de Congonhas como processo museológico – Jurema Machado, Sergio Reis
11:20 Debate

12:00 Almoço

14:00 Tecnologia e comunidade. Mediação: Pompea Tavares (Sala das Sessões)
14:10 Espaço Comum Luiz Estrela – Felipe Hoffman
14:30 Ecomuseu do Cipó – Silvia Lima
14:50 Comentários da mediação
15:00 Debate
15:40 Café (Atrium)
16:00 Espaço do Conhecimento UFMG – Ana Flávia Machado (Sala das Sessões)
16:40 Museus e tecnologias – Vânia Carvalho -Museologia UFOP
17:20 Debate
18:00 Encerramento

24/11 – Sexta-feira 

09:00 Soluções para organização e gestão de acervos – Ana Carolina Montalvão (Sala das Sessões)

09:20 Tecnologia da preservação. Mediação: Aline Ferreira
09:30 Digitalização de Acervos – Flávia Andrade – APM
09:50 Ferramentas de Diagnóstico – LACICOR – UFMG
10:10 Setup fotográfico de baixo custo – Alexandre Leão – ILAB – UFMG
10:30 Comentários da mediação
10:40 Debate

12:00 Almoço

14:00 Tecnologia e educação. Mediação: Vinícius Duarte (Sala das Sessões)
14:10 Educação Patrimonial do Museu Casa Guimarães Rosa no Município de Cordisburgo – Ronaldo Alves
14:30 Projeto “Terras e Cores de Ouro Preto” Gélcio Fontes
14:50 Tecnologia no Memorial da Vale – Mabel Faleiro
15:10 Comentários da mediação
15:30 Debate
16:10 Café (Atrium)
16:30 MUSEOMIX 2017 – Circuito Liberdade: desafios e resultados – Marcela França (Sala das Sessões)
17:10 Debate
18:00 Confraternização (Atrium)

Museu Mineiro